RUI FONSECA»» À procura de novos desafios

Treinador analisa a sua passagem pelo Banheirense…

“JULGO QUE AJUDEI O CLUBE A ESTAR MAIS ORGANIZADO NO SEU DEPARTAMENTO DE FUTEBOL”

Depois de duas épocas e meia ao serviço do Banheirense, Rui Fonseca a anunciou a sua saída ainda antes da época terminar.
O clube não perdeu tempo e forma rápida encontrou uma solução como de resto já foi anunciada pelo nosso jornal, em devido tempo.
Ainda assim fizemos o convite a Rui Fonseca para falar da sua passagem pelo clube e explicar por que razão decidiu sair.
Eis o teor da nossa conversa…

“Entendi que era o momento para fechar um ciclo”

Depois de duas épocas e meia a representar o Banheirense, Rui Fonseca decidiu sair. Porquê?
Ao fim de duas épocas e meia entendi que era o momento de fechar um ciclo no Banheirense, foram dois anos e meio fabulosos mas muito desgastantes. No momento em que tomei a decisão foi apenas baseada no objectivo de ir à procura de outros desafios.

Como é que analisa esta sua passagem pelo clube?
Muito positiva. Na primeira época entrei com o barco em andamento e conseguimos que a aquela família não se desmoronasse, era um grupo de trabalho com muitas raízes criadas à anterior equipa técnica e como tal não seria fácil a entrada de um elemento estranho, mas julgo que conseguimos criar alguns equilíbrios e levando a equipa no final da época a atingir os seus objectivos, terminámos em 7.º lugar.
Na época seguinte conseguimos uma classificação muito honrosa (6.º lugar) e neste campeonato que agora termina conseguimos o objectivo “manutenção” através de um 10.º posto na classificação. Por isso, a minha passagem em termos classificativos, julgo que honra todos aqueles com que comigo trabalharam (7.º, 6.º e 10.º lugar).
Se de classificações já falámos, sobre jogadores, julgo que é justo dizer que hoje os jogadores do Banheirense estão preparados para qualquer desafio que lhes seja proposto, seja na continuidade, seja em clubes com maior dimensão, tenho a certeza que deixei os rapazes prontos para trabalharem com qualquer outro treinador e com qualquer outro objectivo.
Em termos globais, julgo que ajudei o clube a estar mais organizado no departamento de futebol.

 

 “Jogadores saíram mais valorizados esta época”

E em relação a esta época, qual o balanço que faz do comportamento da equipa?
O que vou dizer pode à partida parecer estranho, mas para quem trabalhou e viveu o dia-a-dia deste grupo, não irá estranhar. Na época anterior terminámos em 6.º e este ano em 10.º, mas no meu ponto de vista esta época foi melhor do que a anterior. Jogámos melhor, tivemos comportamentos técnicos e tácticos melhores do que no passado, mas por um ou outro motivo, não vencemos tanto. Acho que os rapazes saíram mais valorizados nesta época do que na anterior e, se calhar, vamos confirmar isso com os convites que os jogadores estão a ter. No meu ponto de vista foi uma época muito bem conseguida.


Casos insólitos…

Durante a época passaram-se coisas consigo que não são muito habituais como foi o caso da abordagem indevida de um polícia em pleno jogo e uma outra situação em que um árbitro lhe faltou ao respeito. Considera isto casos meramente pontuais ou situações que reflectem a forma como vai decorrendo o futebol no nosso distrito?
Lembrando a situação de Sines (Polícia), hoje provoca em mim sorrisos, foi de facto insólito, mas passado algum tempo sobre o incidente, dá-me vontade de rir, foi um episódio possível apenas porque alguém estava nitidamente alterado.
Já sobre a situação da minha expulsão decretada pelo árbitro Henrique Pires, continuo (sempre que me recordo disso) a ter um sentimento de revolta, pois não dei um único motivo para que isso tenha acontecido e pior, foi a forma como fui tratado. Mas também aqui, o tempo irá apagar esse sentimento, o Henrique Pires é um miúdo novo, e se calhar também ele irá reflectir sobre a forma como dirige e como comunica com os intervenientes.
Resumindo, tenho a certeza que foram apenas situações pontuais, o nosso futebol distrital está melhor, tem melhores intervenientes, obviamente e como em tudo na vida, o futebol distrital não é um paraíso, mas tem melhorado ano após ano.


“Já existiram alguns contactos mas ainda nada está decidido”

Sendo um homem do futebol certamente não vai querer ficado parado. Já existe alguma coisa de concreto em relação à nova época?
Felizmente aconteceram já alguns contactos, todos eles me merecem o maior respeito, e neste momento estou a analisar o melhor. Para decidir o futuro tenho de ter em conta dois pilares, o primeiro, que reúna condições para que a minha equipa técnica me possa acompanhar e em segundo lugar que seja um clube com boas condições de trabalho. A partir daí tudo se trabalha!

Para finalizar esta nossa conversa, há algo mais que queira acrescentar?

Sim, gostaria de enaltecer o trabalho que é feito por si, em prol do futebol distrital, é um trabalho fabuloso, semana após semana a dar todas as informações relacionadas com os 16 jogos (1.ª divisão e 2.ª divisão). Não são apenas os treinadores, jogadores, árbitros, staff médico ou staff directivo que fazem evoluir o futebol distrital, também o José Pina, com o seu trabalho ajuda na evolução do jogo que tanto amamos.

Share on Google Plus