1.ª DIVISÃO AF SETÚBAL»» Monte Caparica 0 U. Santiago 2

Jogo ficou marcado por lance polémico na 2.ª parte…


MONTE DE CAPARICA PERDE E CAI PARA O ÚLTIMO LUGAR DA TABELA CLASSIFICATIVA

Monte de Caparica, que vinha de um empate conseguido no Vale da Amoreira, na partida que disputou relativa à jornada anterior, desta vez não conseguiu evitar a derrota na recepção ao U. Santiago.

A partida foi decorrendo de forma equilibrada mas com algum ascendente da equipa alentejana que foi sempre uma equipa consistente e mais virada para o ataque ao contrário do Monte de Caparica que apesar de jogar em casa nunca se conseguiu impor verdadeiramente.

As situações de golo foram escassas, em especial na primeira parte, mais ainda assim foi a equipa alentejana que chegou ao intervalo em vantagem graças ao golo marcado por Tiago Lopes, já em período de compensação.

Na segunda parte o U. Santiago não entrou nada bem, o Monte de Caparica começou a acreditar e ganhou uma grande penalidade que seria desperdiçada por mérito do guarda-redes adversário que defendeu.

O jogo que terminou com o resultado de 2-0, com o segundo golo a ser obtido por Cuca (86’)  ficou entretanto marcado por um lance em que o árbitro se terá equivocado. Na altura do penalti defendido pelo guarda-redes do U. Santiago, o árbitro apita dando a ideia de mandar repetir a grande penalidade mas depois perante os protestos do adversário muda de opinião e procede  ao lançamento de bola ao solo praticamente em cima da linha de baliza e ao mesmo tempo expulsa Nuno Ferreira, jogador do Monte de Caparica.

Após a realização desta partida o U. Santiago subiu ao 3.º lugar da tabela classificativa confirmando assim o seu excelente momento de forma e o Monte de Caparica afundou-se ainda mais porque passou a partir de agora a ser o último da tabela classsificativa.

Na próxiam jornada o Monte de Caparica desloca-se a Sines para defrontar o V. Gama e o U. Santiago recebe o aa visita do líder [Olímpico do Montijo] naquele que vai ser o jogo da jornada. 


 

A OPINIÃO DOS TREINADORES: 

JOSÉ MEIRELES, treinador do Monte de Caparica:

“Estão a empurrar-nos mas nós não vamos desistir”

"Em primeiro lugar quero referir que tudo aquilo que vou dizer nada tem a ver com o União Sport Club. Em segundo lugar quero agradecer atitude dos meus jogadores que durante os 97 minutos que durou a partida nunca baixaram os braços e lutaram contra tudo e contra todos. Em terceiro lugar não gabo a sorte do sr. Paulo Jorge, observador do jogo desta tarde, pois muito terá que escrever. Em quarto lugar não vou falar do árbitro da partida, Francisco Oliveira, porque quero acreditar que tudo o que aconteceu esta tarde foi só meramente um mau dia e que tudo o que se passou não tinha qualquer intenção de me prejudicar a mim, aos meus jogadores ou ao Monte Caparica Atlético Clube e vou guardar para mim as últimas palavras que o Francisco me disse “desculpe Mister”.

Este era talvez o jogo que qualquer árbitro desejaria apanhar para ser observado, porque se encontravam em campo duas equipas que se respeitavam uma à outra, ambas jogam de forma leal e limpa, logo fácil para dirigir.

Passando ao jogo direi que não contávamos perdê-lo porque vínhamos de um resultado positivo e estávamos determinados em conseguir um resultado diferente e estou convencido que o teríamos obtido noutras circunstâncias. A partida foi de equilíbrio, as equipas encaixaram-se bem uma na outra e os dois guarda-redes foram meros espectadores durante quase toda a partida. O União chegou à vantagem na compensação da primeira parte. Mais uma vez facilitámos e pagámos caro o único erro do primeiro período.

Na segunda parte entrámos decididos a dar a volta e podíamos ter chegado à igualdade (aos 55`) quando desperdiçámos uma grande penalidade. E, foi precisamente neste momento que o jogo acabou porque na altura da marcação do penalti, defendido pelo GR do União, o árbitro apita e indica de novo a marca, mediante os protestos do União ele muda a decisão e transforma a repetição numa bola ao solo praticamente em cima da linha de baliza, posteriormente transforma a mesma num vermelho para o jogador do Monte e recomeça a partida com um livre contra nós.

Tinha dito que não ia falar e não vou falar. A partir daqui o jogo durou mais 35`, mas nunca mais foi jogo. Nós com 10 a lutar até à exaustão e o União a fazer o seu jogo. Acabámos por sofrer mais um golo aos 88`. Pelo que os meus jogadores lutaram e pelo que trabalharam não mereciam sair do jogo com mais um golo sofrido. Por fim. queria deixar o sentimento que se vive neste momento no balneário do MCAC, estão a empurrar-nos mas nós não vamos desistir, domingo lá estaremos para tentar somar mais 3 pontos".




ÁLVARO MENDES, treinador do U. Santiago:




Share on Google Plus