quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

TAÇA DE PORTUGAL»» Sorteio foi madrasto para os clubes da região

Sérgio Bóris e Pedro Amora não ficaram satisfeitos

C. Piedade desloca-se a Chaves
e Amora joga no campo do Feirense

Não foi nada favorável aos clubes da nossa região, principalmente ao Cova da Piedade e Amora, o sorteio da 3.ª eliminatória da Taça de Portugal hoje realizado na sede da Federação Portuguesa de Futebol porque tanto um como o outro vão ter que defrontar equipas da 2.ª liga, em terreno alheio.


Com efeito, ao Cova da Piedade calhou em sorte uma deslocação a Trás-os-Montes, onde vai jogar perante o Desp. Chaves e o Amora terá que medir forças com o Feirense, em Santa Maria da Feira. Melhor sorte parece ter tido o V. Setúbal que recebe no Bonfim a equipa do Arouca.

De realçar, entretanto, nesta eliminatória, o confronto entre FC Porto e Sporting a realizar no Estádio do Dragão e a deslocação do Benfica, actual detentor do troféu, à Covilhã. Os jogos estão marcados para o dia 19 de Outubro.


Primeiras reacções dos técnicos


PEDRO AMORA (treinador do Amora):

“O ideal seria jogar em casa com um grande ou uma equipa mais acessível”

“Não fomos felizes no sorteio, porque o adversário é da 2.ª liga e o jogo não é na Medideira. Vai com certeza muito complicado mas vamo-nos bater da mesma forma como fizemos contra o União da Madeira. O ideal seria jogar em casa com um grande ou com uma equipa mais acessível, embora já não haja muitas. Fora é sempre mais complicado e ainda por cima temos quase 300 quilómetros pela frente. Não vai ser fácil mas vamos dar tudo o que temos para lutar pelo melhor resultado possível”.



SÉRGIO BÓRIS (treinador do C. Piedade, em exclusivo ao facebook dos seniores):

“Embora seja difícil, não é impossível”

"Os sorteios são mesmo isto. Não era o que desejávamos. A viagem é longa, o adversário apostou para subir à 1.ª liga e naturalmente é favorito. De qualquer forma, não há jogos ganhos ou perdidos antes de serem jogados. Portanto, embora seja difícil, não é impossível. Quando chegar a altura, pensaremos na melhor maneira de dar uma resposta positiva nesta eliminatória".


Eis o resultado completo do sorteio:

Pedras Salgadas (CNS) - Trofense (2.ª L)
Chaves (2.ª L) - Cova da Piedade (CNS)
Gil Vicente (1.ª L) - Real Massamá (D)
Aves (2.ª L) - Boavista (1.ª L)
FC Porto (1.ª L) - Sporting (1.ª L)
Moreirense (1.ª L) - Pedras Rubras (CNS)
Famalicão (CNS) - Pombal (CNS)
Olhanense (2.ª L) – Oriental (2.ª L)
Casa Pia (CNS) - Vizela (CNS)
Covilhã (2.ª L) - Benfica (1.ª L)
Sourense (CNS) - Santa Eulália (CNS)
Penafiel (1.ª L) - Tondela (2.ª L)
Santa Maria (CNS) - Académica (1.ª L)
Mortágua (CNS) - Fafe (CNS)
Ribeirão (CNS) - Torreense (CNS)
Nacional (1.ª L) - Alcanenense (CNS)
Riachense (CNS) - Benfica e Castelo Branco (CNS)
Feirense (2.ª L) - Amora (D)
Marítimo (1.ª L) - Gondomar (CNS)
Serzedo (D) - Espinho (CNS)
Freamunde (2.ª L) – Felgueiras 1932 (CNS)
Coimbrões (CNS) - Rio Ave (1.ª L)
Paços de Ferreira (1.ª L) - Atlético Reguengos Monsarás (CNS)
Atlético (2.ª L) - Beira-Mar (2.ª L)
Varzim (CNS) - Estoril Praia (1.ª L)
Operário (CNS) - Tirsense (CNS)
Moura (CNS) - Vitória SC (1.ª L)
Vitória Sernache (CNS) - Vieira (CNS)
Braga (1.ª L) - Alcains (D)
AD Oliveirense (CNS) - Belenenses (1.ª L)
Salgueiros 08 (CNS) - UD Oliveirense (2.ª L)
Vitória FC (1.ª L) - Arouca (1.ª L)

GRANDOLENSE»» Chegaram mais dois jogadores

Para o sector mais avançado…

David Rodrigues (ex-Amora) e Cajó (ex-Barreirense) são reforços

O Grandolense apostou para esta época desportiva num plantel curto mas com qualidade, só que as coisas não têm corrido da forma desejada fruto de alguns castigos e também por algumas lesões facto que obrigou no último domingo a ter no banco apenas três jogadores suplentes estando um deles impossibilitado de jogar por se encontrar tocado.

Para além destes pormenores também os resultados não têm sido famosos. Três empates em outros tantos jogos é na verdade muito pouco para uma equipa que na época passada se classificou em 4.º lugar.

Neste sentido, a equipa de Grândola foi à procura de reforços e esta semana acabou de assegurar a contratação de dois jogadores que vêm certamente reforçar a equipa e em especial o seu sector mais avançado.

Um deles é o avançado de 26 anos Cajó que esta época tem andado a saltitar de clube para clube. No início da época foi dado como certo no Amora mas não chegou a ser inscrito porque manifestou vontade de sair. Passado algum tempo surgiu como jogador do Grandolense [clube que havia representado na época anterior] mas não esteve por lá muito tempo saindo para o Barreirense onde realizou os dois primeiros jogos da Taça [ADQC e Alfarim]. Não satisfeito no clube do Barreiro, o jogador optou por voltar a Grândola clube que irá representar atá ao final da época.

Outra das novidades no plantel do Grandolense é David Rodrigues, avançado, de 30 anos, que nas últimas quatro épocas representou o Amora, onde na época passada foi o melhor marcador. David Rodrigues, que  não havia aceitado a proposta apresentada pelos amorensees, estava sem clube pelo que não foi difícil chegar a entendimento com o clube alentejano.

Se o processo burocrático for resolvido a tempo, os jogadores em questão poderão fazer desde logo a sua estreia pelo novo clube já no próximo domingo, frente ao Banheirense.

CHARNECA DE CAPARICA»» José Manuel Santos e a falta de bolas em Grândola

Não culpo o adversário mas sim o árbitro…

Quando o Grandolense se colocou em vantagem as bolas desapareceram

José Manuel Santos, presidente do Charneca de Caparica, está manifestamente desagradado com o que se passou no decorrer do jogo que a sua equipa disputou no passado domingo em Grândola a contar para a terceira jornada da Taça AF Setúbal que terminou empatado a uma bola.

Em declarações prestadas ao nosso jornal, José Manuel Santos lamenta o facto de as bolas terem desaparecido do campo a partir da altura em que o Grandolense se colocou em vantagem.

Se tivesse que haver um vencedor seria o Grandolense porque esteve melhor que nós durante o jogo, mas os nossos jogadores foram uns guerreiros porque lutaram até ao apito final e quando o Grandolense fez o golo [a meio da segunda parte] deixou de haver bolas em campo, tendo os nossos jogadores que sair do campo atrás da bola de jogo”, fez questão de salientar o presidente do clube.

Esta é uma situação que se lamenta. Mas, não culpo o adversário que fez o seu papel. Culpo sim a arbitragem que nunca se preocupou com as bolas e admitiu sempre o anti-jogo”, criticou.

Acabámos por marcar já nos descontos e muito provavelmente o tempo que se perdeu se calhar até fez falta ao nosso adversário. Quando assim é, está tudo dito”, disse com alguma ironia o presidente do Charneca de Caparica que vai continuar a lutar pelos seus objectivos que passam por “fazer da Taça a nossa pré-época. Se formos apurados para a segunda fase tanto melhor mas o mais importante é concentrarmo-nos no campeonato que está aí à porta com o objectivo de assegurar a manutenção. Estamos a construir uma equipa a custo zero. Portanto, o que posso dizer é que é gratificante ter estes atletas no Charneca de Caparica. Com eles, estou convicto, vamos atingir o que pretendemos”, acrescentou.

quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

AMORA»» Marcou de cabeça o golo que eliminou o U. Madeira

Ainda não tinha sido utilizado esta época...

Formiga saltitona faz história na Taça de Portugal

O Amora Futebol Clube foi um dos tombas-gigantes da segunda eliminatória da Taça de Portugal ao afastar da competição a equipa profissional do União da Madeira, que actualmente ocupa o quarto lugar na 2ª liga portuguesa.

A diferença de valores entre as duas equipas é abismal tanto em termos desportivos como financeiros e muito provavelmente o orçamento mensal de um deles [U. Madeira] dava certamente para pagar toda a época da outra [Amora] e se calhar ainda sobrava dinheiro. Em competição estava uma espécie de David contra Golias. E, neste caso foi David [Amora] que ganhou devido à acção e intervenção dos guerreiros que se superiorizaram ao adversário de forma fantástica, dando tudo o que tinham dentro do campo.

O jogo estava a correr de feição ao U. Madeira que se adiantou no marcador aos 66 minutos, o Amora reage fazendo entrar Nascimento (69’) e Formiga (80’), que, curiosamente, viriam a ser preponderantes porque foram eles que marcaram os dois últimos golos que eliminaram o U. Madeira. Emoção foi coisa que não faltou no estádio da Medideira, principalmente nos instantes finais da primeira parte com o Amora a empatar aos 85’, o U. Madeira a desfazer a igualdade aos 88’ e o Amora a obrigar ao prolongamento com o golo que marcou no último minuto da compensação (90+3’).

Depois, no tempo extra, em destaque esteve Formiga, de 24 anos, jogador de baixa estatura (1,72) que de cabeça entre os centrais do U. Madeira, muito mais altos, fez o golo que daria a vitória ao Amora e ditaria a eliminação da equipa insular.

“A alcunha vem desde as camadas jovens do Seixal”

Formiga não faz parte do seu nome. “A alcunha foi posta por um treinador que tive nas camadas jovens do Seixal pelo facto de ser muito baixo em relação aos meus companheiros mas muito trabalhador dentro do campo”, contou o jogador ao nosso jornal.

Em relação ao golo e à sua baixa estatura, Formiga diz que os seus colegas estão sempre a brincar com a situação. “Eles brincam mas a verdade é que eu tenho alguma facilidade na impulsão e um bom cabeceamento e o que acontece é que normalmente os defesas costumam dar prioridade aos adversários mais altos, deixando os mais baixos mais à vontade. Foi exactamente o que aconteceu. Arranjei espaço, movimentei-me, a bola caiu no sítio onde eu estava e fiz o golo, foi tudo perfeito”, explicou o herói da partida que ainda não tinha jogado sequer um minuto esta época. “Para mim, não podia ter corrido melhor, contra uma equipa da 2.ª liga ter entrado aos 80 minutos e conseguir fazer um golo no prolongamento que garantiu a passagem à 3ª eliminatória, foi fantástico. Tendo em conta o valor do adversário e a importância do jogo, foi uma sensação magnífica”, disse com satisfação.

Em relação ao adversário que gostava de defrontar na próxima eliminatória, Formiga (benfiquista assumido) diz que a sua preferência vai para “o Benfica, no Estádio da Luz” e explica porquê: “Para arrepiar, dar abraços a todos os jogadores e se possível marcar um golo para chorar como fez Rui Costa”.

No final do jogo o ambiente era de festa entre os amorenses que comemoraram o feito conseguido com um jantar ao qual se seguiram alguns momentos de descontracção que serviram para prolongar um pouco mais o momento de felicidade.

LIGA DE FUTEBOL DE 7»» TEAM OPTIVISÃO SURPREENDE CHIC

CJM mostra vontade de revalidar titulo

VA Team e Legalize na liderança da Superliga Montijo


Mais uma grande jornada na Superliga Almada/Seixal. TopDrive Gunners fazem duas vitórias em dois jogos antes de se encontrarem na 3ª jornada. TopDrive teve um jogo controlado perante os Q-Team. Já os Gunners tiveram que suar para ultrapassar a equipa do Cruzeiro do Sul que se tem demonstrado cada semana mais competitiva. Mas a surpresa veio mesmo no jogo entre a Team Optivisão e o CHIC FC. A Team Optivisão reforçou-se bem principalmente para o sector ofensivo e com 3 golos na primeira parte souberam gerir o jogo até ao fim vencendo por 5-3. Quanto ao jogo grande da jornada, Falcons e Tubarões deram a demonstração de mais um grande jogo. Jogo que começou inicialmente renhido, teve Hamilton em destaque com um Poker a tornar-se no melhor marcador deste campeonato juntamente com Isma Reis do Top Drive. Com esta jornada percebe-se que ninguém pode dar a vitória como certa e que cada jogo vai ser disputado até a última.

Na Liga Honra, assistimos a uma melhoria qualitativa em relação a épocas passadas. A equipa do Lar Novo Lar perdeu José Paulo e ainda está a enquadrar os novos jogadores na equipa mas tem potencial para fazer mais do que o que tem feito. Este fim-de-semana perdeu (7-4) com a equipa do Borussia que voltou a demonstrar um jogo muito descontraído, praticando um futebol bonito de se ver, jogado pelo chão com muitas tabelas e em velocidade. O outro jogo opôs o Ferro e Amizade que está bem mais competitivo que na época passada e a equipa do Da Team conseguiu a sua primeira vitória na 2.ª jornada.

Na Superliga Montijo, VA TEAM e Legalize parecem motivados para ocupar o lugar deixado pelo campeão. Legalize venceu por 6-1 a equipa dos Team PA que ainda assim viu o seu Guarda-Redes fazer sete defesas. Os VA TEAM defrontaram e venceram por 4-0 a equipa do Zooniverso que se reforçou na equipa campeã da época passada. Ainda assim a equipa dos VA TEAM liderada por Flávio Costa foi melhor chegando assim à liderança. Quanto aos restantes jogos, Portela Cafés e Ginásio Vivência Explosiva conseguiram as suas primeiras vitórias no campeonato. Portela Cafés derrotou o Estrela FC. Um jogo que esteve empatado durante muito tempo mas a 9 minutos do fim Rui Magalhães marcou o golo que seria o golo da vitória. O jogo mais disputado foi mesmo entre o Ginásio e a equipa do Palmela com constantes alternâncias no marcador. Resultado a sorrir no fim para a equipa do Ginásio Vivência Explosiva por 4-3.

Em Setúbal a equipa dos CJM reforçou-se para que possa participar em mais uma final nacional e deixou bem assente que não vai se desleixar nesta época ganhando logo na primeira jornada por 8-1. No outro jogo da Jornada, IX Exército começou por marcar logo aos 5 minutos. Mas o golo cedo não foi suficiente para aumentar a vantagem. Chegando ao intervalo a ganhar, na 2ª parte em 3 minutos a equipa do Liverpodium acabou por dar a volta. Apesar de faltarem ainda 15 minutos para jogar o resultado não obteve mais alterações.

Resultados
Laranjeiro
Domingo, 28 de Setembro
17h00 – The Gunners 3 - 1 Cruzeiro do Sul (SL)
18h00 – União Ferro e Amizade 2 - 6 Juniores (LH)
19h00 – TopDrive 9 - 4 Q-Team (SL)
20h00 – Clube Falcons 6 - 1 Tubarões Azuis (SL)
21h00 – Team Optivisão 5 - 3 CHIC FC (SL)
22h00 – Borussia lá da Rua 7 - 4 Lar Novo Lar (LH)

Montijo
Domingo, 28 de Setembro
18h00 – Legalize 6 - 1 TEAM PA (SL)
19h00 – Estrela FC 2 -3 Portela Cafés (SL)
20h00 – Montijo Palmela Village 3 - 4 Ginásio Vivência Explosiva (SL)
21h00 – VA TEAM 4 - 0 Zooniverso (SL)

Setúbal
Domingo, 28 de Setembro
17h00 - CJM 8 - 1 São Bernardo (SL)
18h00 - IX Exercito 1 - 2 Liverpodium (SL)

FUTEBOL FEMININO»» Paio Pires vence em Setúbal com golo marcado na compensação

Carla Cardoso marcou na cobrança exemplar de um livre a cerca de 30 metros

Rafaela Ventura revelando grande espírito de sacrifício jogou os últimos 10 minutos com um dedo do pé partido

O Paio Pires continua a sua caminhada vitoriosa nesta época desportiva derrotando desta vez a Escola de Futebol Feminino de Setúbal na partida que se disputou na cidade do Rio Azul, a contar para a 3.ª jornada da Série D do Campeonato Nacional de Promoção.


O adversário era de respeito e a vitória não foi fácil de conseguir não só por isso mas também devido às incidências do próprio jogo que foram totalmente adverso às paiopirenses que aos 55 minutos ficaram reduzidas a 10 unidades por expulsão de uma jogadora e depois mais tarde, a partir dos 80 minutos, com uma outra jogadora a fazer figura de corpo presente em virtude de ter partido o dedo do pé.


O espírito guerreiro foi mais forte e o esforço acabou por ser compensado com o golo da vitória marcado na cobrança de um livre soberbo, praticamente no último lance do jogo

“Jogadoras mostraram ser umas guerreiras”

Visivelmente satisfeito com a prestação das suas jogadoras estava no final do jogo o treinador da equipa, Rui Lourenço que contou ao nosso jornal as principais incidências da partida:
Foi um jogo disputado com grande intensidade. As escolinhas são uma equipa que tem as rotinas bem estruturadas e vem com experiência de 1.ª Divisão. Durante a primeira parte dominámos o jogo em todas as fases, fomos a equipa com mais cantos e aquela que mais rematou à baliza adversária. Porém, a melhor oportunidade deste período pertenceu às escolinhas com Sónia Castanheira, a nossa guarda-redes, a fazer uma defesa extraordinária. Na segunda parte ainda entrámos mais fortes mas aos 55 sofremos uma grande contrariedade com a expulsão da Paula Figueiredo, por acumulação de cartões amarelos. A jogar com mais um elemento a equipa contrária tornou-se mais perigosa mas as nossas jogadoras mostraram ser umas guerreiras. Sendo exemplo disso Rafaela Ventura que se sacrificou ao permanecer em campo mesmo depois de ter partido um dedo do pé, aos 80 minutos, após entrada mais dura de uma adversária. Mas, nem tudo foi mau porque em pleno período de compensação (90+5’) surgiu o golo da vitória que seria marcado por Carla Cardoso na cobrança exemplar de um livre, a cerca de 30 metros da baliza adversária, após falta dura cometida sobre Íris Rocha. De seguida, o árbitro deu a partida por concluída vivendo-se então momentos de grande felicidade tanto dentro do campo como nas bancadas. No próximo domingo vamos a Belém realizar o jogo que temos em atraso, para o qual pedimos o apoio dos sócios e apoiantes para nos ajudarem a obter mais uma vitória”.

Nesta partida o Paio Pires alinhou da seguinte forma: Sónia Castanheira; Mariana Malta, Patrícia Freitas, Paula Figueiredo, Carolina Ribeiro; Rafaela Ventura, Daniela Carvalho (Aurora Correia, 50’), Carla Cardoso; Nádia Zurga (Sara Pinto, 78’), Iris Rocha, Neuza Rodrigues (Flávia Oliveira, 71’)

Resultados e Classificação

3.ª JORNADA: Quintajense 1 Guia 2; Olímpico do Montijo 0 CAC 28; Castrense 1 Estoril 3; Escola Fut. Fem. Setúbal 0 Paio Pires 1; Belenenses 5 Malveira da Serra 0.

CLASSIFICAÇÃO: 1.º lugar, Guia, 7 pontos; 2.º lugar, Belenenses (menos um jogo), Paio Pires (menos um jogo) e Estoril, 6 pontos; 5.º lugar, CAC, 5 pontos; 6.º lugar, Escola Fut. Fem. Setúbal, 4 pontos; 7.º lugar, Quintajense, 3 pontos; 8.º lugar Encarnação e Olivais (menos um jogo) e Castrense (menos um jogo), 1 ponto; 10.º lugar, Malveira da Serra e Olímpico do Montijo (menos um jogo), 0 pontos.

PRÓXIMA JORNADA (19 de Outubro): Guia – Belenenses; CAC - Encarnação e Olivais; Estoril - Olímpico do Montijo; Paio Pires - Castrense; Malveira da Serra - Escola Fut. Fem. Setúbal.

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

TAÇA AF SETÚBAL»» ALFARIM 3 ADQC 0

Resultado feito na primeira parte

Num confronto de gerações o filho levou a melhor sobre o pai

O Alfarim recebeu e venceu no seu complexo desportivo a ADQC por 3-0 e com os pontos conquistados manteve o primeiro lugar da Série D da Taça AF Setúbal, seguindo agora com mais três pontos que o Almada que ocupa o segundo lugar.

A partida que tinha como curiosidade ver o filho [Miguel Pinéu, do Alfarim] a jogar contra o pai [Manuel Pinéu, treinador do Quinta do Conde] decorreu sem grandes deslumbramentos e terminou com um justíssimo vencedor sobretudo por aquilo que fez no primeiro tempo período em que marcou os três golos que ditaram o desfecho final.

Mantorras abriu o activo aos 15 minutos, Ivo Mendes aumentou para 2-0, sensivelmente aos 25 minutos, e já perto do intervalo foi Tiago Carvalho que colocou o marcador em 3-0, resultado que premiou a equipa mais eficaz.

Na segunda parte o Alfarim colocou em campo alguns jogadores menos utilizados e a ADQC aproveitou para tornar o jogo mais dividido sem que sofresse qualquer outra alteração.

Com este resultado a equipa de Alfarim ficou com as portas do apuramento completamente escancaradas e a ADQC com algumas hipóteses de ainda lá chegar, embora tenha a tarefa muito mais complicada.

Na próxima jornada o Alfarim está de folga enquanto a ADQC recebe na Quinta do Conde o Almada que joga uma partida importante em relação ao seu futuro na competição.


A OPINIÃO DOS TREINADORES

JOSÉ CARLOS, treinador do Alfarim:

“A vitória deixou-nos muito próximo do apuramento”


O resultado aparenta facilidades, mas não foi bem assim. A ADQC tem uma equipa bem orientada e bem estruturada e tivemos que respeitar o adversário para fazer o resultado ainda na primeira parte. Na segunda metade demos oportunidade a jogadores menos utilizados e o nosso ritmo baixou um pouco mas tinha que ser mesmo assim porque estes jogos servem para isto mesmo. Acabou por ser uma boa vitória porque nos deixou muito próximo do apuramento para a fase seguinte. Aproveito também para desejar felicidades à equipa da Quinta do Conde para o campeonato que vai disputar na 2.ª divisão”.



MANUEL PINÉU, treinador da ADQC:

“A primeira parte ditou a história do jogo”

A primeira parte ditou a história do jogo; ou seja, ambas as equipas tiveram claras oportunidades de golo, com uma clara diferença, a equipa da casa nas cinco ocasiões que dispôs fez três golos a minha equipa em quatro oportunidades não fez nenhum. Na segunda parte rectificámos alguns posicionamentos e o jogo foi mais dividido. Para nós, estes jogos da taça servem para tirarmos algumas ilações para tentarmos chegar ao início do campeonato com os processos devidamente assimilados. Da nossa parte existe a confiança que, apesar deste percalço, a equipa continua a crescer. Em relação à equipa do Alfarim só me resta dar-lhe os parabéns porque mereceram a vitória e praticam um futebol de muita qualidade. Em relação ao árbitro da partida nada a dizer, fez um excelente trabalho”.


FICHA DO JOGO

Jogo no Campo do Grupo Desportivo de Alfarim
ÁRBITRO: Mário Quendera (Núcleo do Pinhal Novo)

ALFARIM: Sérgio; Miguel Pinéu, Tiago Dias, Paulo Vítor, Tiago Veríssimo (João António, 78’); Bruno Correia, Elson, André Pinto (António Calretas, 80’), Tiago Carvalho; Mantorras (Folques, 45’) e Ivo Mendes.
TREINADOR: José Carlos Oliveira

ADQC: Rui Jubita; Rodri, João Monteiro, (Bruno Fernandes 45), Giló, Cláudio; Samuel Luz (Pedro Gomes, 75’), Vasco Botelho, Márcio (David, 80’ ); Júnior (Ivo Mendonça 75?), Jailson, Diogo Bernardo (Gonçalo Correia 45).
TREINADOR: Manuel Pinéu

Ao intervalo: 3-0
Marcadores: 1-0, Mantorras (15’); 2-0, Ivo Mendes (25’); 3-0, Tiago Carvalho (40’)

TAÇA AF SETÚBAL»» Almada 2 Barreirense 1

Árbitro assistente indisposto foi obrigado a abandonar…

Mauro Pereira ao marcar os dois golos foi o homem do jogo

O Almada obteve a sua primeira vitória na Taça AF Setúbal no jogo que disputou no Pragal com o Barreirense e ascendeu ao segundo lugar na Série D que deixa em aberto boas perspectivas quanto a um eventual apuramento para a fase seguinte da competição da qual está já afastada a equipa do Barreiro que apenas conquistou um ponto nos três jogos já realizados.

Para além dos golos e da expulsão de um jogador do Almada, a partida ficou também marcada pela indisposição do árbitro assistente que actuava do lado da bancada Tiago Rodrigues que foi obrigado a abandonar o jogo sendo substituído por um colega que se encontrava na bancada. Tudo isto aconteceu aos 51 minutos facto que levou à interrupção do jogo durante cerca de 10 minutos.

Ao intervalo o resultado estava em branco tendo as equipas feito muito pouco para chegarem ao fundo da baliza adversária, embora os almadenses tivessem estado mais perto de o conseguir porque foram os que mais tentaram..

Na segunda parte, aos 64 minutos Suelves Viegas é carregado em falta na grande área e Mauro Pereira chamado a converter abriu o activo. Pouco depois, Pedro Mesquita é expulso por palavras dirigidas ao árbitro, deixando a equipa almadense reduzida a 10 unidades. E, quando se esperava que fosse o Barreirense a tomar conta do jogo aconteceu precisamente o contrário com o Almada a aumentar a contagem para 2-0 de novo por Mauro Pereira, após cruzamento de Flávio Silva.

Já nos instantes finais da partida, numa jogada de insistência, Celé marcou o golo de honra da equipa do Barreiro.

Na próxima jornada o Almada desloca-se à Quinta do Conde para defrontar a ADQC e o Barreirense recebe o Sesimbra, no Campo da Verderena.



A OPINIÃO DOS TREINADORES

Filipe Celikkaya, treinador do Almada:

“Demonstrámos que queríamos ganhar desde o primeiro minuto”


“Quem veio ver o jogo do Almada Atlético Clube não ficou desiludido porque assistiu a um bom jogo de futebol. Demonstrámos que queríamos ganhar desde o primeiro minuto e penso que isso ficou bem claro. No geral foi bastante positivo porque continuamos a evoluir e a demonstrar competência e isso deve-se ao trabalho diário que os jogadores têm realizado. Vamos continuar nesta linha, humildes, sérios, trabalhadores e com um objectivo em comum. Fomos melhores e merecemos esta vitória. A sorte dá muito trabalho. O Barreirense tem uma excelente equipa, com jogadores experientes e considero que é um eterno candidato à subida de divisão. Arbitragem muito positiva”.



Pedro Duarte, treinador do Barreirense:

“É óbvio que não estou satisfeito, temos que dar muito mais”

“Fizemos uma boa primeira parte, onde controlamos o jogo e cumprimos exactamente aquilo que foi pedido, num campo em muito mau estado onde não foi possível jogar de forma ligada entre sectores. Na segunda parte entrámos bem no jogo mas acabámos por sofrer um golo numa grande penalidade que na minha opinião foi muito forçada. A partir daí a equipa acusou um pouco de ansiedade e, mesmo com um jogador a mais, não conseguimos virar o resultado. Parabéns ao Almada pela vitória. Quanto ao árbitro penso que não teve os mesmos critérios para os dois lados travando muitas saídas da nossa equipa para o ataque com faltas inexistentes. Não serve de desculpa para os maus resultados, e todos sabemos que temos de dar muito mais, mas há pessoas que para ganharem protagonismo, ou sei lá o quê, têm-nos cortado as pernas e condicionado bastante os nossos resultados. É óbvio que não estou satisfeito com os resultados e quem me conhece sabe que não gosto de perder nem a feijões, como se costuma dizer. Todos nós temos a plena consciência de que temos que dar muito mais. Os jogadores também sabem disso, e nós estamos convictos de que vamos alterar esta onda negativa de resultados”.




FICHA DO JOGO

Jogo no Campo do Pragal, em Almada
ÁRBITRO: João Domingos, (Núcleo da Almada / Seixal), auxiliado por Artur Fino e Tiago Rodrigues

ALMADA: João Marreiros; Mauro Pereira, Eduardo Chaves, Bruno Mareco, Francisco Santos; Martin Reier, João Pereira (Nuno Alves, 79’), João do Carmo; Pedro Mesquita, Suelves Viegas (Flávio Silva, 70’), Fábio Mendes (Luís Gonçalves, 70’).
TREINADOR: Filipe Cellikaya

BARREIRENSE: José Carlos; Carlos André, Bruno Costa, Fábio Fragoso, Bailão; Pombo, Crisanto (João Bandeira, 90+8’) David Maside (Fragoso, 90’); Mauro (Cesinha, 70’), Celé e Canina (Chiquinho, 45’).
TREINADOR: Pedro Duarte

Ao intervalo: 0-0
Marcadores: 1-0, Mauro Pereira (64’) gp; 2-0, Mauro Pereira (87‘); 2-1, Celé (90+11’)
Disciplina: cartão vermelho para Pedro Mesquita (78’)

TAÇA AF SETÚBAL»» U. SANTIAGO 7 MOITENSE 1

A diferença entre as duas equipas não foi assim tão grande... 

Resultado completamente exagerado não espelha o que se passou em campo

O U. Santiago foi a segunda equipa mais concretizadora da 3.ª jornada da fase de grupos da Taça AF Setúbal ao golear o Moitense por 7-1., em jogo a contar para o Série C que lidera com o pleno de vitórias e mais seis pontos que Alcochetense, Amora e Monte de Caparica.

Quem olhar para o resultado fica com a ideia que a equipa alentejana fez uma grande exibição e que o Moitense esteve muito mal. Mas, na verdade não foi nada disto que aconteceu, como aliás pode ser comprovado pelas declarações dos treinadores das duas equipas que consideram que o resultado não tem nada a ver com o jogo.

Ao intervalo, o resultado era já favorável a equipa de Santiago que marcou logo de início e depois aumentou para 2-0. O Moitense dispôs também de algumas boas oportunidades, sendo a mais flagrante um penalti desperdiçado já relativamente perto do intervalo que originou também a expulsão do guarda-redes da formação de Santiago que passou a jogar apenas com 10 jogadores em campo.

Na segunda parte o Moitense tentou tirar aproveitamento da superioridade numérica mas não teve a sorte pelo seu lado porque viu a bola bater por algumas vezes na barra da baliza adversária que foi mortífera no contra-ataque.

De registar nesta partida os hat-trick de Amadeu e o bis de Daniel Direito.

Na próxima jornada a equipa alentejana fica de folga enquanto o Moitense recebe no pelado do Campo do Juncal, o Alcochetense que foi a equipa mais inspirada nesta jornada.


A OPINIÃO DOS TREINADORES

JOÃO DIREITO, treinador do U. Santiago:

“O resultado foi conseguido mas não houve assim tanta superioridade”

“Tivemos a sorte de fazer o primeiro golo muito cedo numa jogada de insistência do Ramirez que deu origem ao penalti e logo a seguir fizemos o 2-0. O Moitense tentou reagir e nós nos primeiros 45 minutos fizemos um jogo aberto porque o Moitense também queria fazer golos. Portanto, na primeira parte pode dizer-se que houve algum equilíbrio. Depois, na segunda parte como estávamos em inferioridade numérica, tivemos que alterar a estratégia povoando mais o meio campo, deixando o Amadeu sozinho na frente. O Moitense que parecia ter descurado um pouco o seu sector defensivo e nós através de contra-ataques rápidos aparecíamos em superioridade, onde Daniel Direito e Amadeu com a sus qualidade faziam a diferença levando a este resultado que me parece algo exagerado para o que foi o jogo em si. O Moitense na segunda parte teve mais bola, mais situações de organização de jogo ofensivo mas nós conseguimos superá-lo através do lançamento de contra-ataques, chegando assim à goleada. O resultado foi conseguido mas não houve assim tanta superioridade do U. Santiago”.


NUNO PAULINO, treinador do Moitense:

“O Moitense que por aquilo que fez não merecia um castigo tão pesado”

“O resultado não espelha o que se passou em campo. Nós sabíamos que íamos defrontar uma equipa que jogava com dois avançados e por isso apresentamo-nos com uma linha defensiva subida para os manter mais afastados da nossa baliza. E, embora não tivéssemos entrado bem no jogo porque sofremos logo de início um penalti que me pareceu duvidoso, até conseguimos. Apesar dessa contrariedade não nos fomos abaixo, continuámos a trocar bem a bola e tivemos algumas situações claras de golo. Eles acabam por chegar ao 2-o num erro infantil da nossa equipa devido talvez à inadaptação ao relvado, porque estamos mais habituados ao pelado. Entretanto, a partir da meia hora começámos a tomar conta do jogo mas não fomos eficazes porque até desperdiçámos um penalti mesmo à beira do intervalo. Na segunda parte entrámos muito fortes e aos 48’ atirámos uma bola à barra e passado mis cinco minutos voltámos a fazer o mesmo. Depois, num contra-ataque eles fazem o 3-0 que matou praticamente o jogo. Nós arriscámos tudo passado a jogas apenas com três defesas mas não fomos felizes e eles aproveitaram para sentenciar o jogo. Mas, volto a frisar, o resultado é exagerado e algo injusto para o Moitense que por aquilo que fez não merecia um castigo tão pesado”.



FICHA DO JOGO

Jogo no Campo Municipal Miróbriga, em Santiago do Cacém
ÁRBITRO: Ricardo Figueiredo (Núcleo de Setúbal)

U. SANTIAGO: Rafael; Baixinho, Mendão, André Oliveira; Fábio Oliveira (João Generoso, 45’), Ramirez (Alexandre, 80’), Daniel Direito, Ruan (Abdul, 70’); Ivan (Diogo Filipe, 75’); Amadeu e Catarino (Ruben, gr, 35’).
TREINADOR: João Direito

MOITENSE: Pedro Chusso, Sandro Lopes, Espada (Diogo Amieiro, 70’), Filipe Valente, Tiago Lourenço; Cláudio Silva (Pedro Nuno, 78’), Diogo Ribeiro, David Nogueira (Felix, 45’); Ismael, Gonçalo e Pipo (Tarik, 45’).
TREINADOR: Nuno Paulino

Ao intervalo: 2-0
Marcadores: 1-0, Daniel Direito (4’) gp; 2-0, Catarino (25’); 3-0, Abdul (72’); 4-0, Daniel Direito (80’) gp; 5-0, Amadeu (85’); 5-1, Diogo Amieiro (87’); 6-1, Amadeu (88’); 7-1, Amadeu (90+3’).
Disciplina: Rafael (guarda-redes do U. Santiago) foi expulso aos 35 minutos

TAÇA AF SETÚBAL»» Alcochetense 9 Monte de Caparica 1

Ao intervalo havia 1-1

Alcochetense aplica goleada bastante volumosa


À partida seria impensável que pudesse acontecer um resultado como este mas o futebol é assim mesmo, as coisas por vezes acontecem quando menos se espera. Foi na realidade o que aconteceu no Campo António Almeida Correia “Foni”, onde o Alcochetense goleou o Monte de Caparica, por nove bolas a uma.

Muitas pessoas poderão pensar que se terão passado coisas estranhas mas não foi nada disso que aconteceu. O jogo teve uma primeira parte equilibrada e chegou ao intervalo empatado a uma bola. Depois na segunda parte o Alcochetense marcou cedo e a equipa do Monte de Caparica desnorteou-se por completo permitindo assim um resultado bastante esquisito.

Ricardinho (2), Peter (2), Tiago Carvalho (2), Feiteira, Piqueira e Bruno Pais foram os marcadores de serviço da equipa de Alcochetense que na segunda parte apresentou um nível de eficácia bastante elevado.

Na próxima jornada o Alcochetense desloca-se à Moita para defrontar no pelado do Juncal o Moitense e o Monte de Caparica recebe no Campo Rocha Lobo a equipa do Amora que acaba de fazer um brilharete ao eliminar o U. Madeira na Taça de Portugal.



A OPINIÃO DOS TREINADORES:

ZÉ PEDRO, treinador do Alcochetense:

“Fomos muito eficazes e estivemos muito bem na segunda parte”

“Ao intervalo havia 1-1. Depois na segunda parte conseguimos corrigir o que não havia estado tão bem na primeira. Os jogadores deram uma resposta muito boa em função do resultado e isso era importante porque jogávamos em casa. Entrámos fortes da segunda parte, marcámos dois golos muito cedo num curto espaço de tempo e depois, apesar da entrada de novos jogadores, conseguimos dilatar a vantagem construindo um resultado bastante volumoso que não é muito habitual. Fomos muito eficazes e estivemos muito bem no aspecto ofensivo, se calhar na segunda parte fomos 10 vezes à baliza adversária e fizemos oito golos. A equipa apresentou uma boa dinâmica. Na primeira parte não conseguimos implementar da melhor forma os nossos processos de jogo mas depois das correcções feitas ao intervalo os jogadores deram uma resposta muito boa”.



JOSÉ MEIRELES, treinador do Monte de Caparica

“Só vou guardar na memória os primeiros 45 minutos”


“Jogo com duas partes distintas. Por razões óbvias, só vou guardar na memória os primeiros 45 minutos e vou tentar esquecer a última metade do jogo. Chegámos ao intervalo com uma igualdade e, penso, que até ao momento, era o resultado mais acertado porque ambas as equipas se apresentaram com tendência ofensiva e, talvez por isso, a igualdade registada ao fim da primeira parte. Na segunda metade o Alcochetense entrou melhor e veio a ganhar vantagem. A minha equipa mais uma vez ficou abalada com o golo sofrido e depois foi o descalabro que o resultado final mostra”.




FICHA DO JOGO

Jogo no Campo António Almeida Correia “Foni”, em Alcochete
ÁRBITRO: David Salvador (Núcleo do Pinhal Novo)

ALCOCHETENSE: Rogério Ziotti; Portela (Bruno Pais, 45’), Gil (Gaspar, 80’), Cunha, Kiki; Piqueira, Milton (Tiago Carvalho, 60’); Queijinho (Feiteira, 45’; (Marco Véstia, (Sequeira, 67’), Peter e Ricardinho e Peter.
TREINADOR: Zé Pedro

MONTE DE CAPARICA: Rui Algarvio; Pedro (Dani, 65’), Aguilar, Albasini, Heta; Austrelino (Cruz, 70’), José João, Bolonha (Hélder, 65’); Miguel (Galo, 45’), Lino (Fábio Santos, 45’) e Ruben Braga
TREINADOR: José Meireles


Ao intervalo: 1-1
Marcadores: Ricardinho (2), Peter (2), Tiago Carvalho (2), Feiteira, Piqueira e Bruno Pais, pelo Alcochetense e Ruben Braga pelo Monte de Caparica.
Disciplina: vermelho para Aguilar (84’).